simon fernandes >>

Paraíso Tóxico

Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes
Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes
Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes Contemporay art.Simon Fernandes
Contemporay art.Simon Fernandes

-
Paraíso Tóxico
instalação
Manta asfáltica, sacolas plásticas, água, água sanitária, fitas led e sala digital.
450x200m
CCCB, São Paulo, 2021
-

link

Plástico, piche, água, uma página na web, desinfetantes e um carro devorado pelo mar. A obra Paraíso Tóxico, estabelece um diálogo com espaço expositivo, interconectando-se, sem apontar conclusões, não há nelas ficção, antes disso o conjunto de trabalhos compõem fragmentos do agora evidenciando sua potência literal e mágica. O espaço é ampliado por meio de uma sala digital, acessada via código QR, sua cor fantasmagórica banha o corredor do prédio em verde. Do lado oposto, três obras dispostas na parede, relacionam-se por contraposição cromática e material. Da instabilidade líquida e reflexiva do piche preto à luminosidade atrativa e repulsiva das faixas de led, as obras indicam uma relação não hierarquizada e amoral entre sintético e “natural”. Um ciclo vicioso-virtuoso de utopia, distopia, prazer, vida e devastação.